(67) 3026-8990

regiscarvalho@regiscarvalho.adv.br

Acompanhar Processo

logo_facebook

FACEBOOK

ARTIGOS / NOTÍCIAS

03/11/2017

COMO UM PLANEJAMENTO PREVIDENCIÁRIO PODE SALVAR SUA APOSENTADORIA

Marcos de Castro

Dentre o rol de benefícios fornecidos pela Previdência Social, as aposentadorias são as mais desejadas pelos trabalhadores brasileiros. Seja por tempo de contribuição ou por idade, todo contribuinte um dia deseja se aposentar, porém, muitos segurados contribuem durante toda a vida sem saber ou sequer se preocupar com o valor que receberá quando não puder ou não quiser mais trabalhar.
Por ser tratar de contribuição compulsória, isto é, todo empregado que trabalha com carteira assinada é obrigado a se inscrever no Regime Geral de Previdência Social, a maioria se preocupa apenas em acumular tempo de contribuição para fins de aposentadoria, não prestando atenção no valor que vai receber com o benefício, justamente porque não é ele quem faz o recolhimento pecuniário ao INSS e sim o seu empregador.
Além dos segurados obrigatórios, há ainda aqueles que optamem contribuir ao Regime Geral de Previdência Social, os chamados segurados facultativos e individuais. Porém, o que a maioria dos segurados não sabe é que é possível, e cada vez mais necessário, realizar um planejamento previdenciário, justamente para que o segurado não se assuste com o valor do benefício que irá vir a receber no momento de sua tão sonhada aposentadoria.
O planejamento previdenciário prepara o segurado para as condições impostas pela previdência social, pois dentre as modalidades de aposentadoria fornecidas pelo Regime Geral, em poucas situações o contribuinte conseguirá se aposentar com renda mensal integral, sem a incidência do fator previdenciário ou qualquer alíquota que venha a diminuir o valor do benefício.
Vale esclarecer que em alguns casos ainda compensa o segurado se aposentar mesmo com a incidência de fator previdenciário, justamente porque com um bom planejamento, o profissional consegue vislumbrar outros tipos de renda que se aplicam ao perfil de determinado contribuinte e mesmo se aposentado com valor inferior, ainda sim seria de mais valia para aquele beneficiário.
Em outras situações, por exemplo, o segurado já possui tempo de contribuição suficiente para se aposentar e mesmo assim continua contribuindo com valores altos para ser beneficiado com o teto máximo previsto pela previdência. Nessa ocasião o contribuinte está literalmente perdendo dinheiro, pois poderia estar investindo em outros ramos, visto que o período contributivo para análise de aposentadoria é de 80% das maiores contribuições e não 100%, ou seja, não se faz necessário contribuir a vida inteira para se aposentar com o valor máximo.
Além das várias intempéries que envolvem a previdência social, na maioria dos casos os segurados não se aposentam bem justamente por falta de planejamento, seja por ausência de informação ou até mesmo por desinteresse. O fato é que independente das crises vividas pela Previdência é totalmente possível e acessível ao segurado se planejar para se dar bem no fim da vida, tendo uma aposentadoria digna para no mínimo manter o seu padrão de vida.
Para que o sonho não se torne pesadelo, basta que o segurado procure um profissional especializado na área para ilustrar os caminhos mais viáveis e financeiramente compensatórios para que o contribuinte possa gozar de uma aposentadoria mais digna a até mesmo com mais de um tipo de renda.
 
assinatura

site desenvolvido por: